quinta-feira, 31 de março de 2011

O CONCEITO DA CRIAÇÃO SEGUNDO A TRADIÇÃO IORUBA.

O conceito de Ifá acerca da criação
Cosmologia é o estudo da estrutura do universo que procura descobrir os princípios da essência que sustenta a Criação. A Cosmologia de Ifá é baseada na crença de que o microcosmo (ambiente imediato) é uma reflexão do macrocosmo (o universo). Isto significa que as forças que criaram as estrelas e as galáxias também criaram a Terra, incluindo as plantas e os animais que se desenvolveram no planeta. Devido a esta seqüência, Ifá ensina que todo problema enfrentado pelos humanos tem uma contraparte análoga em todas as esferas de existência. As escrituras de Ifá descrevem  freqüentemente os problemas encontrados por animais e plantas com a suposição básica que a condição humana encontra as mesmas lutas para sobreviver.
Uma das funções da divinação é identificar os meios pelos quais as forças universais se manifestam na vida quotidiana. Isto é feito através do uso do mito. Devido o mito fazer uso de elementos metafóricos, um conhecimento de símbolos torna possível ao divinador relacionar determinado mito a uma dada situação. O paradigma cosmológico fundamental que Ifá utiliza para interpretar símbolos é a crença que a manifestação do Universo é o resultado do equilíbrio entre polaridades.
A maioria dos sistemas metafísicos são baseados na crença que a polaridade primordial que sustenta o universo físico é a tensão entre contração e expansão. Em Ifá, essa polaridade é freqüentemente descrita como a relação entre escuridão e luz. Este relacionamento não é considerado como um conflito entre as de forças do “bem” e as forças do “mal”. A polaridade entre expansão e contração é entendida como sendo a qualidade fundamental da dinâmica e forma como eles existem na Natureza.
Usando o sistema divinatório de Dafa, expansão ou luz é representada por um traço vertical (I) e contração ou escuridão é representada por dois traços verticais (II). Utilizando o sistema divinatório que faz uso de búzios, luz é representada pelo lado côncavo aberto da concha e escuridão pelo lado convexo da mesma. A curva do lado convexo forma uma barriga. Na pratica, essa barriga é removida, expondo uma coluna única abaixo do centro. Este lado do búzio é chamado de “estomago” ou “inú” em yoruba. O lado côncavo possui dois lábios que se curvam para dentro com uma abertura no meio. Este lado da concha é chamado de “boca” ou “enu” em yoruba.
A cosmologia de Ifá ensina o princípio que luz vem da escuridão e escuridão vem da luz. Ela também ensina que todas as coisas existentes são uma manifestação do ase. A palavra yoruba ase possui vários significados. Em um contexto cosmológico, é a Força que sustenta a Criação. A manifestação primordial do ase seria a Força invisível que cria tanto luz quanto escuridão. A Física chama esta força de eletromagnetismo. Todas as coisas no universo material geram campos de força eletromagnéticos. As forças eletromagnéticas que se expandem  além de suas fontes geram um campo de radiação que abrangem o espectro visível da luz. As forças eletromagnéticas que se contraem pelo movimento em direção a sua fonte desenham  luz fora do espectro visível dentro da escuridão. Na Natureza, um padrão energético (ase) forma uma esfera. Toda a coisa desde o menor átomo até a maior das estrelas contém forças de expansão e contração em uma arena esférica.
O formato esférico da maioria dos padrões energéticos é representado na divinação em Ifá pelo uso de um círculo bidimensional em forma de tabuleiro (Opón Ifá). O Mérìndinlogun geralmente representa a esfera numa peneira (Àté Òrìsà). Toda esfera é definida pela distância entre seus pólos e seu equador. Os pólos e o equador são determinados pela colocação de uma linha horizontal e outra vertical em seus ângulos retos passando pelo centro da esfera. Estas linhas em Dafa são traçadas no pó de iyerosun que é espalhado na superfície do tabuleiro. Estas linhas no Mérìndinlogun são traçadas no pó de efun que é espalhado sobre a peneira. Isto resulta em uma imagem que é uma representação bidimensional de uma realidade tridimensional:
Usando Dafa, o padrão simbólico para luz pura seria uma linha simples em cada um dos dois pólos e em cada extremo do equador como na figura:
Quando estas quatro linhas são postas juntas, formando uma única coluna, elas se tornam uma notação linear que é utilizada para representar uma realidade tridimensional específica. O símbolo para luz é como segue:
I
I
I
I
Pelo mesmo processo, a representação simbólica para a esfera de escuridão seria uma coluna com quatro linhas duplas:
II
II
II
II
Em adição aos pólos e ao equador, toda esfera possui um centro chamado núcleo, que forma um coração oculto dentro dos limites de outra camada exterior. O núcleo de uma esfera também forma uma esfera no ponto onde as linhas dos pólos e equador se cruza.
Dafa utiliza duas linhas verticais para representar o limite externo e o núcleo interno dos padrões de energia que existem na Natureza. Usando exemplos já dados, uma esfera de luz com luz em seu núcleo seria representado por duas colunas de linhas simples. Na divinação em Ifá este símbolo é chamado “Ejí Ogbe” ou “Ogbe Meji”. Ele aparece da seguinte maneira:
I I
I I
I I
I I
Os padrões são lidos da direita para a esquerda. O lado direito é o exterior visível e o lado esquerdo é o interior invisível. Em termos metafóricos o lado direito é masculino e o lado esquerdo é feminino. Em Ifá, a associação entre expansão, luz e energia masculina e a associação entre contração, escuridão e energia feminina é relatado na natureza expansiva e contrativa dos órgãos reprodutores masculinos e femininos. Um não é considerado melhor que o outro. A polaridade entre expansão e contração, entre claro e escuro e entre macho e fêmea são todos vistos como os princípios dinâmicos que geram diversidade no interior da Criação.
Para representar uma esfera que é escura na circunferência e clara em seu núcleo, Dafa utiliza duas colunas de linhas duplas. Na divinação em Ifá este símbolo é chamado “Oyeku Meji”.

II  II
II  II
II  II
II  II
Utilizando estes dois exemplos, é possível fazer uma representação simbólica da Terra. A bola de fogo no centro da Terra seria representada por uma coluna de linhas simples situadas ao lado esquerdo do octograma. A superfície da Terra seria descrita como luz que foi transformada em matéria e seria representada por uma coluna de linhas duplas. Em Dafa apareceria da seguinte maneira:
I  II
I  II
I  II
I  II
Novamente, usando as mesmas técnicas, nós poderíamos fazer uma imagem simbólica do Sol pela representação da luz que emana de sua superfície como uma coluna de linhas simples ao lado direito do octagrama. O combustível no centro do Sol contrai luz, formando uma massa de partículas que seria representada por uma coluna de linhas duplas ao lado esquerdo do octograma. Em Dafa apareceria da seguinte maneira:
II  I
II  I
II  I
II  I
Dentro da religião de Ifá, é creditado ao Profeta Òrúnmilà o uso deste sistema para simbolizar o espectro de polaridades que existe na Natureza. Em dias anteriores à colonização a marcação do Odu foi usada como uma forma de linguagem escrita. Foi e é possível transmitir uma série complexa de idéia pela marcação do Odu com giz ou carvão em um pedaço de cerâmica. Mensagens foram trocadas entre sacerdotes utilizando variações neste método da mesma maneira que alguém escreveria uma carta nos tempos modernos. Em yoruba esta forma de comunicação é chamada “àrókò”.
O simbolismo em Dafa é baseado no uso de elementos binários. Isto significa que ele é construído sobre dois componentes. Os elementos binários são uma linha simples e uma linha dupla. Estes componentes são agrupados em duas colunas reunindo quatro elementos cada. Esta é a mesma estrutura matemática que é utilizada para programar os computadores modernos. A maior diferença é que uma é formada por linhas simples e duplas e os computadores utilizam impulsos 0/1 elétricos para formar elementos binários. Ambos os sistemas fazem uso de octagramas como uma estrutura para armazenamento de informações. Nesta estrutura, cada quadragrama possui dezesseis variações (4 x 4). Pela combinação de dois quadragramas formamos um octagrama, há 256 combinações (16 x 16). Na cultura Yoruba, Dafa é usado como um meio não mecânico de armazenamento de informação. Como um novo discernimento foi acrescentado em uma esfera particular da Natureza, esta informação foi reunida e adicionada aos versos de um octagrama particular associado a uma esfera em particular da Natureza, exatamente como informação e unida e armazenada sob tópicos específicos em um moderno computador.
Ifá chama de Odu “cada um dos 256 octagramas usados em Dafa”. O uso do Odu como um paradigma para estudo e catalogação de Forças na Natureza é uma tentativa precoce em formular um modelo científico que explique dinâmica e forma no universo. O que na superfície pode parecer um conjunto relativamente simples de símbolos é de fato um mapa muito complexo da estrutura da realidade como percebida pelos ancestrais que formularam os conceitos associados a cada Odu. De acordo com a cosmologia em Ifá, a fonte da Criação é Olorun. A palavra Olorun traduz-se como “Senhor do Paraíso”. Senhor é usado aqui no sentido metafísico de possuindo um segredo ou sendo a Fonte de um Mistério. Na cosmologia em Ifá, Céu é o reino invisível que guia a evolução. Olorun é o Mistério da Fonte que é considerado estar por trás da compreensão humana. Quando Ifá descreve Forças na Natureza, se refere àquelas manifestações invisíveis da Criação que se acredita fluir de Olorun. Todos os espíritos que são reconhecidos por Ifá são considerados como aspectos conhecidos de Olorun, enquanto a essência de Olorun permanece um Mistério.
Quando o universo passou a existir no momento da Criação, foi Olodunmare quem deu a tarefa de sustentação para tudo aquilo. Olodunmare vem da raiz Olo Odu, significando “Senhor do Odu” ou “Senhor dos Primeiros Princípios”. Mare é a contração de Osumare que é o espírito do Arco-íris. Na Natureza, o Arco-íris é uma das mais puras manifestações da luz. Olodunmare poderia ser traduzido como “A Fonte das Forças na Natureza geradoras do espectro da luz”. Como Senhor do Odu, Olodunmare pode ser descrito como Caldeirão Místico que contém todas as formas potenciais que se manifestam a partir da Criação.
Como Força Espiritual, Olodunmare existe em polaridade com o espírito Ela. Não há uma tradução direta para a palavra Ela. Alguns dos mais velhos em Ifá dizem significar “Pureza”. Outros dizem significar “Aquele que cria”. Quando estas formas que existem em potencial no útero de Olodunmare se manifestam, é Ela que sustenta esta manifestação. Em termos simbólicos, Ela trás a luz da Criação para fora da escuridão do Útero da Criação.
A tarefa de moldar a Criação foi conferida originalmente a Obatala. A palavra Obatala significa: “Senhor das Vestes Brancas”. O termo “Vestes Brancas” é referencia a substância primordial que forma o alicerce do universo físico. A Física ensina que a primeira manifestação de dinâmica no universo foi luz. No ponto de vista Ocidental, Obatala pode ser compreendido como a essência da luz. A ciência moderna ensina que a evolução é um processo de transformação da luz solar em meio planetário. Evolução é a reorganização da luz solar para as multidimensões da vida na Terra.
O mito de Ifá diz que a tarefa de moldar a Criação foi dada a Oduduwa por Olodunmare após Obatala se embriagar. A polaridade entre Oduduwa e Obatala é a expressão simbólica da teoria Ocidental cientifica que luz forma matéria e que matéria dissipa-se na luz. Ifá expressa o mesmo conceito pela afirmação que luz provem da escuridão e que escuridão provem da luz. A referência à bebedeira de Obatala é uma expressão simbólica da observação de que o movimento da luz para escuridão e vice-versa nem sempre tem lugar em uma progressão uniforme.
As imagens utilizadas para representar os Odu podem ser consideradas cópias dos modos pelos quais a transmissão entre luz e sombra ou expansão e contração têm lugar. A essência dos Odu é a expressão de uma idéia científica que matéria nunca se cria nunca é destruída, é simplesmente transformada.
De maneira a compreender a natureza do Odu em sua manifestação primordial, é de grande auxílio representar a Criação como é simbolizada, tanto no tabuleiro de Ifá quanto no Mérìndinlogun:
Desta representação simbólica da Criação é possível iniciar o processo de visualização dos relacionamentos primordiais representados pelos Odu. Olodunmare é a Fonte de movimento e forma, o universo oculto em potencial. Ela é a manifestação de movimento e forma como ele existe no momento presente. Obatala é a fonte de luz e Oduduwa é luz transformada em matéria. A Fonte de Equilíbrio no universo é Olorun, o núcleo invisível do qual a Criação emerge. Neste paradigma, equilíbrio é o elemento chave. Forças opositoras que coexistem em um estado de equilíbrio geram o ase (poder) necessário para dar nascimento ao próximo estágio da evolução
Às forças espirituais que passam a existir como resultado das polaridades entre Olodunmare e Ela é chamado Imole. Os Imole são aquelas Forças invisíveis que guiam a interação entre luz e matéria. Através dos Imole, os Odu que existem no útero de Olodumare manifestam-se como Força primordial na Natureza.

quarta-feira, 30 de março de 2011

CONSTRUINDO UMA PIRÂMIDE. MUITO INTERESSANTE.

Em primeiro lugar, vamos às nossas hipóteses.
A pirâmide de Gizé possui 230m de lado e 146m de altura quando foi construída. “Suas paredes possuem inclinações precisas de 51º 51´14”. Seus blocos de pedra são encaixados milimetricamente, sem espaço para passar um mero pedaço de papel. Possuem câmaras e túneis de acesso que não foram escavados, mas sim deixados vazios durante o processo de construção (ou seja, foram planejados antes da construção) e que são elaborados com precisão absoluta. Sabe-se que as pirâmides foram construídas utilizando-se aproximadamente 80% de pedras de calcário rochoso, de pedreiras distantes cerca de 60-80 km do Cairo, e que 20% de sua estrutura foi composta de pedras nobres, em especial o Alabastro e o Mármore Negro, trazidas da pedreira de Assuã, localizadas a cerca de 725 km de Gizé, através do Nilo.

Cálculos Iniciais
Usando a fórmula do volume de uma pirâmide temos (B x H) /3 = 2.556.850 m3 de pedra. Não estou levando em consideração as câmaras e túneis dentro da pirâmide, apenas o volume “bruto” dela para fins de orçamento aproximado. A maior parte do volume da pirâmide é construída com blocos inteiros de Calcário Rochoso. O calcário possui densidade 2,8, portanto, temos que o peso estimado de uma pirâmide é 7.159.150 toneladas, dos quais 1.431.830 toneladas (revestimentos e pedras nobres) vieram de Assuã de barco e 5.727.320 toneladas vieram de pedreiras próximas, localizadas a até 80 km de distância. Destes blocos de calcário, cerca de 6% em peso é constituído de blocos de 70 toneladas (aproximadamente 5.000 blocos) e teremos de pensar em uma maneira de extraí-los e transportá-los da pedreira até nossa obra.

A primeira coisa que precisamos verificar são as pedreiras de calcário rochoso. Analisando algumas das maiores pedreiras de calcário do Brasil, consegui as seguintes informações:
De acordo com a ABRACAL (Associação Brasileira de Produtores de Calcário), uma pedreira de 6 hectares produz cerca de 14.000 toneladas de blocos no tamanho adequado por ano.
Com dois telefonemas para alguns amigos que trabalham no Cairo, consegui a informação que as pedreiras que os “egípcios” utilizaram para obter os blocos (Toura e Maadi) não tinham mais do que 28 hectares somadas (e isso são pedreiras grandes, relativamente falando). Fazendo uma regra de 3 básica, temos uma produção de 65.000 toneladas por ano de blocos.
De posse destes dados, temos que apenas extrair todas as pedras para montar a Pirâmide, utilizando-se de equipamentos de 2008, levaríamos 82 anos. Uma conta simples que já destrói completamente qualquer hipótese das pirâmides terem sido construídas em 20 anos…
Mas o faraó Del Debbio I tem pressa !!! Queremos construir a pirâmide no mesmo período de tempo alegado pelas lendas. Se um bando de egípcios seminus de 4.000 AC conseguiu, nós vamos conseguir também!

Procurando minas de calcário
Em 2000, a produção total de calcário no estado de São Paulo foi de 3.230.000 toneladas, dos quais apenas 16% nos tamanhos adequados para a construção dos blocos de 2,5 ton. mínimos (pouco mais de 516.800 toneladas por ano). Vamos usar TODA a produção de calcário do estado de São Paulo para a construção da minha tumba.
Com TODA a produção de blocos de calcário do estado de São Paulo (que corresponde a cerca de 21% da produção total do Brasil) nas mãos do Faraó Del Debbio I, vamos recalcular o tempo para a construção da Pirâmide:
Com 1.416 toneladas de blocos por dia de produção, precisaremos de 11 anos (4.045 dias) para extrair tudo. Dane-se o estado de São Paulo, o Faraó Del Debbio tem pressa. Temos apenas 20 anos para construir as pirâmides!
Para nossas operações terrestres, usaremos o caminhão 31260E da Volkswagen, o maior e mais poderoso caminhão da linha comercial 2008, que é um dos mais modernos da frota brasileira, capaz de carregar até 31 toneladas por vez. Utilizando-se de guindastes mecanizados do tipo GR 9.000 da Rodomaq, conseguimos colocar um bloco de pedra de 2,5 toneladas dentro do caminhão e ajustá-lo em cerca de 10 minutos, de acordo com o engenheiro responsável.
Um caminhão 31260E carrega até 12 blocos de 2,5 toneladas de cada vez, o que demoraria 120 min. para carregá-lo. Supondo uma estrada bem asfaltada, em uma velocidade segura, faríamos o trecho de 80 km em 1h 30 min. Descarregando o caminhão no local da obra e retornando em segurança, todo o processo de ida e volta demoraria 7 horas.
Ao todo, teríamos de carregar 5.383.681 toneladas de pedras em blocos de até 12 toneladas usando nossos caminhões Volkswagen.
Fazendo a divisão de 5.383.681 toneladas por 30 toneladas, temos 179.456 viagens. Levando em conta nossa produção de 1.416 ton. por dia, demoraríamos 3.802 dias para fazer todas as viagens (ou 10,5 anos). Para tanto, utilizaríamos uma frota de 30 caminhões (que trabalhariam 24 horas por dia, 7 dias por semana, sem feriados ou pausas). Não há razão para usarmos mais caminhões, pois estes já estariam trabalhando no limite, já considerados 20% extras para eventuais falhas mecânicas (obrigado pessoal da Brasspress e Rodo Jumbo pelas informações).
Alguns engenheiros alegaram que estes caminhões trabalhando desta maneira selvagem não durariam 10 anos, então um deles pediu para que ficasse constando que a frota ideal total seria de cerca de 50-60 caminhões, sendo substituída ao longo do tempo.
Os outros 343.640 toneladas em blocos de 70 toneladas seriam um problema. A Granero e outras companhias de transporte que pesquisei carregam até no máximo 60 toneladas indivisíveis em seus veículos e os maiores caminhões da Volvo e Scania carregam apenas 50 toneladas… então teríamos de ir buscar outros caminhões especiais para isso.
Encontramos esta carreta, capaz de carregar até 470 toneladas, mas não achei o nome dela. Para sustentar essa estrutura, a carreta tem 266 pneus, além de outros 30 dos cavalos mecânicos. O veículo tem 93 metros de extensão, 8,70 metros de altura e anda a 5 km/h. Precisamos de uma autorização especial AET e cada viagem pode chegar a custar até R$ 100.000,00
Para carregá-la com os blocos de 70 toneladas (cabem 6 blocos por vez), demoramos cerca de 2h por bloco, ou seja, 12 horas para carregá-la, 16 horas para viajar (totalizando 56 horas por trajeto ida e volta) levando 420 toneladas. Para transportar 343.639 toneladas, precisaremos de 818 viagens, ou seja, 45.808 horas (5,2 anos).
Sabemos que as pedras maiores estão na base da pirâmide, então pelo menos os 5 primeiros anos serão destinados para as pedras de 70 toneladas, então talvez consigamos fazer um “estoque” de pedras de 12 toneladas e 2,5 toneladas para usar no futuro, aumentando assim nossa frota de caminhões 31260E nos primeiros anos e economizando pelo menos uns 3 anos do projeto. Por outro lado, não adianta carregarmos as pedras menores para a pirâmide, pois isto atrapalharia o desembarque das super carretas.
O preço dos materiais, pelas tabelas de 2007, é de aproximadamente 100,00 por tonelada de blocos de calcário e entre 250,00 a 400,00 a tonelada de mármore nobre e alabastro. Mas acho que por ser irmão maçom, eu teria direito a algum desconto. O total estimado, em material apenas, sairia na faixa de 4 bilhões de reais (1% do PIB do Brasil de 2007). Mas isto não inclui nem transporte e nem mão de obra!
Outro dos problemas é como fazer a terraplanagem do terreno. Consultei algumas das empresas de topografia de irmãos e descobri que conseguir um platô que fique PERFEITAMENTE NIVELADO sobre a areia de um deserto é uma tarefa impossível. Pior ainda se planejamos “empurrar” os blocos… o mero deslocamento das pedras já desnivelaria TODO o trabalho executado, e a areia deslocada nunca permitiria um encaixe tão perfeito dos blocos. Ao contrário do que as otoridades querem que vocês acreditem não basta ir empilhando blocos de pedra sobre a areia, pois com o tempo, a areia cede e toda a estrutura afunda (por exemplo, a torre de Pisa, que nem em areia foi construída). Para se construir em cidades como Santos ou Las Vegas, é necessário consultar engenheiros navais e de estruturas, para indicar as compensações necessárias a serem feitas para se edificar sobre solo tão precário (e estou falando de prédios de 10, 12 andares… a pirâmide tem o equivalente a 49 andares). Em outras palavras, é necessária uma FUNDAÇÃO para manter toda esta estrutura firme (ainda mais que ela não se deslocou um milímetro em 12.500 anos… ops… 6.000 anos).

Muitos teóricos da conspiração (e eu não estou entre eles) afirmam que há uma pirâmide enterrada abaixo da pirâmide, de mesmo tamanho e voltada para baixo, formando um octaedro, para servir como fundação. Isso resolveria nosso problema, mas destruiria de uma vez por todas as teorias de tumba do Faraó e escravos egípcios empurrando blocos… pena que o governo egípcio proíbe qualquer tipo de pesquisa neste sentido, então nunca saberá a verdade.
De qualquer maneira, os trabalhos de terraplanagem de uma área deste tamanho teriam de ser executados por alguma empresa do porte da Engepar especializada em barragens. O tempo estimado para deixar o terreno preparado para receber a pirâmide girou em torno de 6 meses a 1,5 anos, mas não tive garantias de inclinação de zero grau como na pirâmide. Eu deveria esperar algo em torno de 0,5º a 1,5º de inclinação.

Transporte por rios
Para nossas operações marítimas vamos usar um dos maiores navios em operações aqui no Brasil, da Hamburg-Süd, chamado “Aliança Brasil PPSO”, com capacidade máxima de 1850 Teus (Teu é uma unidade de medida que representa contêineres com 20 pés, neste caso, carregados com 14 toneladas), que é um navio com 200 mts de comprimento, possui mais de 28.000 toneladas de deslocamento e velocidade de 20 nós. Este navio é tão grande que existem apenas 5 em operação neste volume no Porto de Santos (para ter uma ideia de comparação, as caravelas de Cabral carregavam 250 toneladas cada)

As docas do porto de Santos, o maior porto do Brasil, são capazes de carregar em média, 40 contêineres por hora (ao custo de 70 dólares por contêiner). Um navio do porte do Aliança Brasil demoraria, então, 46 horas para carregar e 20 horas para viajar (em um total de 132 horas entre carregar, viajar, descarregar e voltar). Isso, claro, contando que tivéssemos dois portos do tamanho de Santos à nossa disposição.
Carregar 1.431.830 toneladas usando este navio demoraria 55 viagens, ou aproximadamente 310 dias. Menos de um ano. Esta seria a parte mais fácil do projeto.
Faltou um último detalhe. Os blocos das pedreiras são escavados com erro de até 3% em tamanho. Os blocos das pirâmides são PERFEITOS em suas medidas. Eu reclamei com o engenheiro chefe e ele me disse que é possível contratar especialistas para recortar no canteiro da obra com precisão milimétrica, mas este trabalho poderia demorar até cerca de 3 a 12 horas por bloco, para ficar da maneira 100% perfeita que as pirâmides exigem.
Contas rápidas levam ao nosso conhecimento que, para lapidar os cerca de 260.000 blocos das paredes externas, câmaras e túneis, seriam necessários aproximadamente 2.600.000 horas. Com uma equipe de 500 especialistas (ou seja, praticamente todos os especialistas brasileiros), conseguiríamos fazer todo este trabalho em cerca de um ano inteiro. Certamente o faraó Quéops tinha especialistas muito melhores que os formados pelo SENAC.
Resolvida a logística de escavações e transporte, vamos colocar os blocos uns sobre os outros:
Precisamos levar todos estes blocos de 70 toneladas, 12 toneladas e 2,5 toneladas até a sua posição na Pirâmide. Sabemos que ela possuía 146 mts de altura. A hipótese de rampas é ridícula, pois não podemos construir rampas com inclinação maior do que 10%, o que significa que as rampas quando estivéssemos no topo da pirâmide teriam 1,5 quilômetros de comprimento… Uma rampa destas teria 5 mt x 145 mt x 1.450 mt, ou seja, 525.625 metros cúbicos de areia, suficiente para encher 6 maracanãs até a boca de areia. Algum de vocês já foi a um estádio de futebol para ter uma noção de quanta areia é isso?
A maior escavadeira do mundo, a Bagger 288, consegue movimentar 76.445 m3 por dia. Este monstro demoraria uma SEMANA para construir uma rampa como a descrita acima. Supondo, claro, que milagrosamente toda a terra movimentada chegasse ao formato desejado da rampa em um passe de mágica.

Vamos usar guindastes e gruas!
Podemos construir rampas de acesso metálicas para caminhões nos primeiros estágios da pirâmide. Mas com o tempo, eles se tornariam complicados. No primeiro andar, teríamos algo em torno de 53.000 m2 (230×230) para manobrar os caminhões e guindastes GR 9.000, mas certamente precisaríamos usar guindastes para posicionar os blocos da base.
Para posicionar os blocos gigantes de 70 toneladas, usaremos guindastes da Demac ou Lorain (aluguel de 250,00 por hora). Posicionar um bloco de 70 toneladas em um canteiro de obras demora cerca de 2 horas, mas o engenheiro me disse que há erro de até 5% da maneira que escolhi. Podemos medir com sensores de laser (semelhante ao que usam no metrô para alinhar os túneis), mas que mesmo assim o balanço dos guindastes poderia tirar os blocos do prumo. Sugerimos empurrar com um trator, mas a maioria dos tratores empurra até 30 ou 40 toneladas no máximo. Sugeri usarmos nossos peões de obra para empurrar. “Se o faraó conseguiu, eu também consigo” – pensei. E o engenheiro riu na minha cara. Totalmente impraticável.
Pessoas empurrando blocos de pedra na areia fariam no máximo com que elas mesmas afundassem quando começassem a puxar ou empurrar os blocos, sem que ele se movimente. Se usarem troncos para “rolar” as pedras, precisariam pensar em uma maneira de RETIRAR estes troncos debaixo das pedras (embora nenhum botânico que eu contatei conseguisse me indicar uma palmeira que aguentasse 70 toneladas de pressão).
Só para não parecer que eu estou exagerando… 70 toneladas é o peso de 70 fuscas, compactados em um bloco de aproximadamente 2 x 2,5 x 5 m. Se imaginarmos escravos MUITO fortes e marombados, capazes de puxar 200 kg cada um, precisaríamos de 350 escravos para puxar cada um destes 5.000 blocos. E estamos falando de PUXAR, porque empurrar é impossível… vamos empilhar 350 homens uns sobre os outros… a última vez que eu verifiquei dois corpos não ocupava o mesmo lugar no Plano Material. Então como ajustar a posição milimétrica dos blocos sem empurrá-los?
O segundo problema de empurrar é que isso poderia arrebentar o piso e a terraplanagem. Decidi não me preocupar com estes problemas mundanos e ignorar isto. Concretando o primeiro andar da pirâmide, teríamos uma base forte (desde que ela não cedesse) para continuar subindo.
Resolvido as primeiras etapas da pirâmide, usaremos, então, o modelo de guindaste MC310K12, um dos maiores guindastes em uso aqui no Brasil, para elevar os blocos de 12 e 2,5 toneladas. Ele eleva 12 ton. a uma altura de 57,50m, com uma lança de 70m. Com ele, conseguiremos construir até cerca de 50m de altura… só faltam 100m para chegar ao topo.
Neste ponto do percurso, temos um problema, chamado Câmara dos Reis. Há dentro dela uma pedra única de 50 toneladas, de mármore negro vindo de Assuã. Como nenhum guindaste chegaria até a posição onde ela está e as rampas de areia são impraticáveis, optamos por usar um helicóptero militar, mas infelizmente, o maior helicóptero brasileiro, o Baikal, carrega miseráveis 4 toneladas. Mesmo o Mi-26, o maior helicóptero de carga americano, segundo a WFF, carrega apenas 20 toneladas (confesso que isso foi uma surpresa, eu achava que helicópteros carregassem mais peso). Então abandonamos os helicópteros… e aquela história das Pipas do Kentaro levando 11 toneladas me parece cada vez mais história para cético dormir…
Sem helicópteros, tivemos de construir uma rampa, usando estruturas metálicas extra-resistentes combinada com um guindaste na ponta para içar a pedra. Tempo estimado de operação: duas semanas.
Espero que dessa vez eu se lembre de colocar um sarcófago DO TAMANHO CERTO, já que o de Quéops é menor do que deveria ser… faraó burro!
Também descobri que existe uma grua nova na Espanha chamada Potain MD1400, a maior grua em atividade na Europa, capaz de elevar pesos a até 200m de altura, flecha de 50m e 30 toneladas de carga. Deve dar, embora a flecha desta grua não seja suficiente para chegar ao centro da pirâmide, o que força nossos homens a montarem esquemas de cordas para direcionar e posicionar as pedras do Topo.

Pyramidion
Fica faltando uma última pedra, uma réplica da pirâmide com 9m de altura esculpida em uma única peça de mármore negro, chamada Pyramidion, pesando entre 6 e 7 toneladas. Com a grua espanhola, podemos fazer este trabalho sem grandes complicações de engenharia.

Claro que os prazos que eu forneci nesta coluna são para cada uma das etapas separadamente. Quando construirmos a pirâmide, estas etapas terão de entrar em um cronograma de logística: enquanto as pedras são cortadas e transportadas, outros engenheiros e peões estarão responsáveis pela colocação delas no canteiro de obras. Trabalhando sem parar 24 horas por dia, 7 dias por semana, sem feriados nem descansos (segundo os textos usados como base, os “egípcios” trabalhavam apenas 3 meses por ano), estimamos a construção da Pirâmide com tecnologia de 2008 em cerca de 13 a 14 anos (trabalhando sem parar 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano), a um custo que pode chegar fácil a 18 bilhões de reais. E, como eu sou uma das dez pessoas mais modestas do Planeta (e a modéstia me impede de dizer em qual posição eu estou), terei todo este trabalho e NÃO VOU COLOCAR O MEU NOME EM LUGAR NENHUM da pirâmide.
Faltou lembrar que todo este trabalho é para apenas UMA pirâmide, quando na verdade, o conjunto possui TRÊS pirâmides (então teríamos de multiplicar todo este trabalho por três… ). Eu sempre soube que a história de escravos empurrando pedras era ridícula, mas agradeço ao Mori pelo texto dele das pipas, que me fez ir atrás de empresas de engenharia para ver o quanto, na verdade, é IMPRATICÁVEL a teoria dos escravos da tumba do faraó. As pessoas acreditam nela simplesmente porque as otoridades disseram e porque nunca ninguém foi atrás de ver as dimensões envolvidas. De qualquer maneira, fica demonstrada a impossibilidade de cumprir estas metas no prazo e condições descritas pelas otoridades.
Agora… quem construiu as pirâmides e como, ninguém sabe ao certo… mas definitivamente não foram escravos seminus arrastando blocos de pedras rampa acima no deserto ou empinando pipas.


quinta-feira, 24 de março de 2011

ABIKÙ




A SOCIEDADE EGBE ÒRUN DOS ABIKÜ, AS CRIANCAS NASCEM PARA MORRER VARIAS VEZES *

Pierre Verger

Universidade Federal da Bahia

Se uma mulher, em país iorubá, dá a luz uma série de criancas natimortas ou mortas em baixa idade, a tradicão reza que não se trata da vinda ao mundo de várias criancas diferentes, mas de diversas aparicões do mesmo ser maléfico chamado abíkú (nascer-morrer) que se julga vir ao mundo por um breve momento para voltar ao país dos mortos, òrun (o céu), várias vezes.
Ele passa assim seu tempo a ir e voltar do céu para o mundo sem jamais permanecer aqui por muito tempo, para grande desespero de seus pais, desejosos de ter numerosos filhos vivos, para assegurar a continuidade da família sobre a terra.
Esta crenca se encontra entre os akan, (2) onde a mãe é chamada awomawu (ela bota os filhos no mundo para a morte). Os ibo chamam os abíkú deogbanje, os haucás de danwabi e os fanti, kossamah (3). Sua presenca entre os Mossi foi estudada por M. Houis (4).
Encontramos informacões a respeito dos àbikú em algumas histórias (itan) de Ifá, sistema de advinhacão dos iorubá, praticada pelos babalaôs (pai-do-segredo) que transmitem de geracão em geracão um enorme "corpus" de histórias tradicionais, classificadas nos duzentos e cinqüenta e seis odu ou sinaisde Ifá (5). Oito deste itan são dados no fim destes artigo, nos seus textos originais iorubá, com a sua traducão para o português.
Estas histórias mostram que os abíkú ou eméré (112) (6) formam sociedades no céu (egbé òrun), presididas por lyajansa (a mãe-se-bate-ecorre) para os meninos (V 11 112 e 76) e olókó (chefe da reunião) para as meninas (VI3 e V111/77), mas é Aláwaiyé (Rei de Awayé) (V11/17) que as levou ao mundo pela primeira vez na sua cidade de Awaiyé (V11118).
Lá se encontra a floresta sagrada dos abikú (V11/44), aondé os pais de ábíkú vão fazer oferendas para que eles fiquem no mundo (VI 1/45,52,54.).
Quando eles vêm do céu para a terra, os ahikú passam os limites do céu diante do guardião da porta, o aduaneiro do céu onjbodé òrun (1/5), seus companheiros vão com ele até o local onde eles se dizem até logo (I 11/9). Os que partem declaram o tempo que tencionam ficar no mundo e o que farão. Se prometem a seus companheiros que não ficarão ausentes,
essas criancas, apesar de todos os esforcos de seus pais, retornarão, para encontrar seus amigos no céu (V/7,9).
Os abíkú podem ficar no mundo por períodos mais ou menos longos.
Um àbíkú menina chamada "A-morte-os-puniu" declara diante de oníbodé òrun (116,161 que nada do que os seus pais facam será capaz de retê-la no mundo, nem presentes em dinheiro, (117) nem roupas que Ihes oferecam, (119) nem todas as coisas que eles gostariam de fazer por ela (111 1) atrairiam os seus olhares nem lhe agradariam (1112).
Um àbíkú menino, chamado Ilere, diz que recusará todo alimento (1117) e todas as coisas (11/10) que lhe queiram dar no mundo. Ele aceitará tudo isto no céu.
Quando Aláwaiyé levou duzentos e oitenta ibíkú ao mundo pela primeira vez, cada um deles tinha declarado, ao passar a barreira do céu, o tempo que iria ficar no mundo (VI I 4, 10). Um deles se propunha a voltar ao céu assim que tivesse visto sua mãe; (V11/10) um outro, que iria esperar até o dia em que seus pais decidissem que ele se casasse (VI 111 1 ); um outro, que retornaria ao céu, quando seus pais concebessem um novo filho (VI 1/15), um ainda não esperaria mais do que o dia em que começasse a andar (V11/16).
Outros prometem a lyàjanjasà, que está chefiando a sua sociedade no céu (V 11 1/3), respectivamente, ficar no mundo sete dias, (V 1 1 111 9 ou até o momento em que comecasse a andar (VI 11/23) ou quando ele comecasse
a se arrastar pelo chão (V I1 1/23), ou quando comecasse a ter dentes (V111124) ou ficar em pé (V111125).
Nossas histórias de Ifá nos dizem que oferendas feitas com conhecimento de causa são capazes de reter no mundo esses abíkú e de Ihes fazer esquecer suas promessas de volta, rompendo assim o ciclo de suas idas e vindas constantes entre o céu e a terra, porque, uma vez que o tempo marcado para a volta já tenha passado, seus companheiros se arriscam a perder o poder sobre eles.
E assim que nessas quatro histórias (I, I I I, I V e V) encontramos oferendas que comportam um tronco de bananeira acompanhado de diversas outras coisas. Um só dos casos narrados, o terceiro, explica a razão dessas oferendas:
"Um caçador que estava à espreita ( 1 1 1/3), no cruzamento dos caminhos
dos abl'kú, escutou quais eram as promessas feitas por três abíkú quanto a época do seu retorno ao céu.
"Um deles promete que deixará o mundo assim que o fogo utilizado por sua mãe, para preparar sua papa de legumes, se apague por falta de combustível (II1/11). O segundo esperará que o pano que sua mãe utilizar, para carregá-lo nas costas se rasgue ( 1 1111 7). A terceia (porque é uma rrienina abíkú) esperará, para morrer, o dia em que seus pais lhe digam que é tempo dela se casar e ir morar com seu esposo ( 1 11/22).
"O cacador vai visitar as três mães no momento em que elas estão dando a luz seus filhos abíkú (111126) e aconselha à primeira que não deixe se queimar inteiramente a lenha sob o pote que cozinha os legumes que ela prepara para seu filho ( 1 11/28); a segunda que não deixe se rasgar o pano que ela usar para carregar seu filho nas costas, que utilize um pano
de qualidade diferente (dos que se usam geralmente para este fim); ( 1 11/32); ele recomenda, enfim, a terceira, de não especificar, quando chegar a hora, qual será o dia em que sua filha deverá ir para acasa do seu
marido (1 11/33).
As três mães vão, então, consultar a sorte, Ifá, que Ihes recomenda que facam respectivamente as oferendas de um tronco de bananeira, de uma cabra e de um galo, impedindo, por meio deste subterfúgio, que os três ibíkú possam manter seu compromisso. Porque, se a primeira instala um tronco de bananeira no fogo, destinado a cozinhar a papa do seu filho,
antes que ele se apague ( 1 11/43), o tronco de bananeira, cheio de seiva e esponjoso, não pode queimar, e o abíkú, vendo uma acha de lenha não consumida pelo fogo ( 1 1 1/47), diz que o momento de sua partida ainda não é chegado. A pele de cabra oferecida pela segunda serve para reforçar o pano que ela usa para levar seu filho nas costas ( 1 11/52); a crianca
àbíkú não vai achar nunca que esse pano se rasgou e não vai poder manter sua promessa. Não se sabe bem o porque do oferecimento de um galo, mas a história conta que, quando chegou a hora de dizer à filha uma moça, que ela deveria ir para a casa de seu marido (1 11/55), os pais não lhe disseram nada e a enviaram bruscamente para casa dele.
Nossos três abíkú não podem mais manter a promessa que fizeram, porque as circunstâncias que devem anunciar sua partida não se realizaram tais como eles tinham previsto na sua declaração diante de oníbodé bruna Estes três àbjkú não vão mais morrer. Eles seguiram um outro caminho
Comentamos esta história com alguns detalhes porque ilustram bem o mecanismo das oferendas e de sua funcão. ~ ã éo se u lado anedolíco que nos interessa aquí, mas a tentativa de demonstração de que, em país iorubá, a sorte pode ser modificada, numa certa medida, quando certos segredos são conhecidos. No caso, as condicões nas quais os três abíkú deixaram o mundo.
Esta noção sobre a importância de conhecer certos segredos é também expressa na sétima história onde os abíkú combinam entre si, no momento de sua chegada a Awayé (V11/18), preparar, cada um, quatro vestimentas (de cor vermelha), assim como um lenço de cabeca e um boné no valor de 1.400, cauris (búzios) para cada um. 0 s ab jkú declaram que se alguém descobrir suas quizilas, quando eles chegarem ao mundo, e o nome das vestes que eles combinaram fazer (V 11/22, 23), eles ficarão no
mundo.
E por isso que os babalaôs consultados (VI 1/34) prescrevem oferendas desses objetos (V1 1/39, 41 1, a respeito dos quais os abíkú fizeram uma combinacão (VI 1/42).
Essas oferendas são penduradas nas árvores da floresta sagrada dos Ãbíku em Awaiyé (V1 1/46), acompanhadas de pratos de alimentos e doces (V 11/52).
Estas cerimônias serão feitas todos os anos pelos pais (V11/55), e eles dancarão ao som dos tambores, cantando cancões onde falam do vermelho, da cor das roupas vermelhas feitas pelos ablkú, de lenços e de bonés no valor de 1.400 caurís (búzios) cada um, afirmando, asssim, ter conhecimento do pacto feito pelos àb&ú quando chegaram em Awaiyé, e do seu compromisso de ficar no mundo, se os pais viessem a saber da sua convenção. Nenhum abíkú, cujos pais fizeram estas cerimrinias,
deixará o mundo (V11168, 69) (7).
Tais oferendas são, com efeito, uma forma de expressão sem acompanhamento de palavras articuladas; o discurso é substituído pela apresentação dos objetos testemunhas, provando que a oferenda conhece os segredos, fazendo-o assim participar do pacto dos abíkú.
Entre as oferendasque os retêm aqui, em baixo, figuram, em primeiro plano, as plantas litúrgicas. Cinco dentreelas são citadas nestas histórias:
Abíríkolo (Crotalaria lachnophera A. Rich, Papilionacaae). Agídímagbayin (não identificada). ldí (Terminalia ivorensis, A. Chev, Combretacae). lja agborh (não identificada). Lara pupa (R icinus communis Linn, Euphorbiaceae).
Citemos ainda duas plantas frequentemente utilizadas para reter os abíkú e que não figuram nessas histórias:
Olobotuje (Jatropha curcas - LINN Euphorbiaceae).
Opá eméré (Waltheria americana LI NN, Sterculiaceae).

A oferta destas folhas constitui uma espécie de mensagem e é acompanhada por encantamentos (ofó); os textos de algumas delas figuram nos textos apresentados no fim deste artigo.
Resumamos aqui:

Ewé abíríkolo, insinkú òrun e pèhinda (Vl51, 53)
Folhas d'abiríkolo, coveiro do céu, voltai.
Ewé agidl'magbayin, Olorun máa ti 'kun, a o kú mó (I V121, 23)
Folha de agidímagbayin Olorum fecha a porta (do céu) para que não morramos mais.
Ewé id í I'ori ki onà òrun tèmi o dí (V1126)
Folhas de idl: dizei que o caminho do céu está fechado para mim.
Ewé ijá agbonrín, não ande pelo longo caminho que conduz ao céu.
Ewé lara pupa ni osún awón àbíkú. (V1133, 34)
A folha de lara vermelha é o cânhamo dos abíkú.
Olobotuje má jé ki mi bí àbíkú omo
olobotujé parir filhos àbíkú
opá eméré ki pé t í f i kú, yio máa eu ni, nwon ni, nwon bá ríòpá eméré
Vara de eméré não os deixe morrer, isto Ihes agrada, ver a vara de eméré.
Notar-se-ão as açsociacões de som que intervêm em algumas dessas f0rrnulas de encantamento tais como a última sílaba de ljá agbonrín e o verbo rlh idl' é do mesmo modo associada ao verbo dí, fecha (o carninho do céu), além disso, esta história faz parte do signo Òdíméji onde se reencontra a mesma sílaba atuante; para a folha lara pupa, um jogo de palavras é feito entre o nome da folha lara e l'ara, o corpo (da criança).
Em país iorubá, os pais, para proteger seus filhos àbíkú e tenta; retê- los no mundo, podem se dedicar a certas práticas, tais como fazer incisões (cortes) nas juntas da criança (VI 111 4) e aí esfregar um pó preto, feito de folhas litúrgicas, queimadas para esse fim, ou ainda ligar à cintura da criança um 6ndè (V1/20, 21 ), talismã feito desse mesmo pó negro, contido num saquinho de couro.
A ação protetora buscada nas folhas, expressa nas fórmulas de encantamento, é introduzida no corpo da criança por incisões e fricções, e a parte do pó preto, contida no saquinho do òndè, representa uma mensagem
não verbal, uma espécie de apoio material e permanente da mensagem dirigida pelos elementos protetores contra os elementos hostís, sendo essa forma de expressão menos efêmera do que a palavra (8).
No canto da oitava história, são feitas alusões aos xaorôs, anéis providos de guizo, usados nos tronozelos pelas crianças abikú, para afastar os companheiros que tentam vir buscá-los (9) no mundo e lembrar-lhes suas promessas (V I I 1/57, 64 I.
De fato, seus companheiros não aceitam assim tão facilmente a falt a de palavra dos abíkú, retidos no mundo pelas oferendas, encantamentos e talismãs preparados pelos pais, de acordo com o conselho dos babalaôs.
0s membros da sociedade dos àbíkú, egbé ará òrun, vêm do céu residir nos lugares pantanosos ( 1 1/28) ou nos regatos ( 11/46, V/20), donde chamam as crianças que querem ficar no mundo. Vão também ao pé dos muros (11/47), lá onde vão esvaziar as sujeiras (11148). Ficam nas salas onde as pessoas se lavam (balùwe) no fundo das casas (I11/63), que são lugares
frescos, onde é enterrado iwo, a placenta dos recém-nascidos, colocadas num vaso isásun, coberto de folhas de palmeira desfiadas, chamadas mariwó e caurís (búzios). Isso se chama orisun, a arigem da criança, e esse lugar é saudado com a seguinte frase:
Baluwe, nlé o, o tó omo, at'idí jegbin omc tuntun Olá, sala de banho, fonte de origem da criança, come as sujeiras da criança recém-nascida), fórmula que, por um curioso resumo, associa as noções de especulações mui respeitáveis sobre a origem
dos seres humanos às das funções orgânicas.
Nem sempre essas precauções e oferendas são suficientes para reter as criancas abíkú sobre a terra. lyájanjasa é muitas vezes mais forte.
Ela não deixa agir o que as pessoas fazem para os reter (V I1 1/46, 47) e porá a perder tudo o que as pessoas tiverem preparado (V11 1/48, 49). Contra os ab/kú não há remédios. lyájanjasá os atrairá a forca para o céu
(V111/35, 69). Os corpos dos abíkú que morrem assim, são frequentemente mutilados, a fim de que, dizem, eles percam seus atrativ.0~ e seus companheiros no céu não queiram brincar com eles sobretudo para que o espírito do àbíkú, maltratado deste modo, não deseje maisvir ao mundo.
Essas criancas abíkú recebem no seu nascimento, nomes particulares.
Damos no fim deste artigo uma relacão de alguns desses nomes acompanhados de suas saudacões tradicionais. Eles podem ser classificados:
quer nomes que estabelecem sua condicão de abíkú (6, 7, 8, 18,36, 38); quer em nomes que Ihes aconselham ou Ihes suplicam que permaneçam no mundo (2, 9, 11, 13, 14, 16, 17, 23,25, 26, 32, 33, 34, 30);quer
em indicacões de que as condicões para que o abikú volte não são favoráveis (20, 21, 22, 27, 28, 29, 37, 39, 42); quer em promessas de bom tratamen to, caso eles fiquem no mundo (5, 12, 15).
A freqüência com que se encontra, em país iorubá, esses nomes em adultos ou velhilhos que gozam boa saúde, mostra que muitos abikú ficam no mundo gracas, pensam as almas piedosas, a todas essas precauções, à acão de Orúnmilà, e a intervenção dos babalaôs.

NOMES DADOS AOS ÃBíKÚ

Aiyédun - A vida é doce (NT)
Aiyédun, a vida é doce, venha conhecer nossa sociedade
Aiyélagbe - Nós ficamos no mundo
A iyélagbe, não parta, não se vá
A já - Cão
Cão, não quebre a corda, perdão, não se va
Ajéigbe - A riqueza não está perdida
Ajéigbe vai chegar, a riqueza não se perderá
Aklsatán - Não se usarão mais farrapos
Aklsatán eu não verei mais amarrar as roupas, Akísàtán não parta
mais
Akújí- O que está morto, desperta
Akúji, faca sortes de prestidigitacão
Apara O que frequenta minha casa
Apara, não fique indo e voltando
Aybrunbò - Vá ao céu e volte
Ayorunbo crianca que cobre o corpo de terra
Bánjókó - senta-se comigo
Bánjókó, senta-se, repousa
Dúróddlú - Espera o Senhor
Dúródólú, teu senhor está a caminho
Dúrójaiyé Fica para gozar a vida
Fica para gozar tua vida, fica ainda, Durojaiyé
Dúrdorlike - Fica, tu serás mimada (nome para uma menina àbíkú)
Fica, tu serás muito mimada neste mundo, Obróoríké
Dúrósnm í - Fica, para me enterrar
Fica, para me enterra, não durmas em vão, Dúrósihmi
Dúrósomo - Fica, para fazer filhos
Fica para fazer filhos no mundo, não faça filhos no céu Dúrósomo
143
Dúrótoye - Fica para receber um título honorífico Fica, para receber um título, não vá ao céu de tarde
Dúrówòjú - Fica para olhar nos meus olhos Fica, para olhar nos olhos de teu pai e tua mãe, Dúrówòjú
Ebelokú - Suplica para que fique Suplica para que fique, suplicante está a criança, Èbelokú
Enílolobò - Alguém que partiu, volta Alguém que partiu, volta, alguém semelhante chega
Enúnkúnoníipe - O que consola está cansado de oferecer condolências, isso o cansa Enúnkúnonjipe
lgbéko yl'j - O mato recusou este aqu i,
igbékoyií, o mato recuspu mesmo este aqui'
I kúfor~/ in- A morte perdoou
Meu lkúforoin, tua cabeça não vai mais morrer
Ilètán - A terra acabou (não há mais terra para enterrá-lo) A terra acabou, não vemos mais possibilidade de enterrá-lo
Jéaríobé - Deixa-nos pedir-te Deixa-nos pedirte, se te pedimos que nos escute, Jéaríobé
Kíké - Indulgente
A crianca é indulgente, Ki ké
Kòjékú - Não consinta em morrer
Não consinta em morrer, nós o prendemos na terra
Kòkúmó - Não morra mais
Kòkúmó, oh filho do segredo!, não morra mais, fique sobre a terra
Kòníbírè - Não há mais lugar para ir (fora deste mundo)
Kòníbíre não vê lugar para ir
Kèsílè - Não há terra (onde enterrar) Não há terra, não vemos mais possibilidade de lhe enterrar, Kosjle
Kòsókó - Não há enxada (para cavar o túmulo) Não morra, não há enxada para cavar a terra Kòsókó
Kúmápdy i i - A morte não leva este daqui
Kumápáyl'í que bebe água na cabeça dos mortos, se ele a usa, a
batalha será hoje mesmo
Kúti - Ele não está totalmente morto A morte empurra para o mundo, não vá para o céu, morte, empurre para o mundo
Mákú - Não morra Não morra, mulher do babalaô, Mákú não morra
Malomó - Não te vás mais Não te vas mais, retorna, Málomò
Mátanmi - Não me decepciones Eu terei notícias tuas, não me decepciones, eu terei tuas notícias, não partas
Obísèsan - Nascido para a vingança
Obísèsan vem fazer a vinganca do bem para o mundo
Okúsèhíndé - O cadáver volta
Orúkotán - O nome acabou
Orúkotán, seu último nascido, Orukotán
Omotúndé - A crianca voltou A crianca voltou,. ela não será mais Àbl'kú, Ornotúnde
Orunkún - O céu está cheio O céu está cheio, não te vás mais, Orunkún não te vás mais, ele ficou
Rótimi - suporta-me Rótimi boa vinda, bom filho, Rótimi boa vinda
Tanímòwò - Quem sabe cuidar dele? Quem sabe cuidar dele, se não o senhor, Tanlmòwò?
Tijúikú - Envergonhado da morte
Tijúikú não deixa a morte te matar

É PRECISO CUIDAR DOS ABlikÚ, SENÃO ELES VOLTAM PARA O CÉU

A morte não deixa a criancinha ser forte
Fl.!i~erais não deixam ernerè ficar velho
Ifá foi consultado para "A-morte-os-puniu" (nome do abíkú)
quer as filha de funerais
5 Quando "A-morte--os-puniu" cheça ao mundo, e!a vai perto do guardião da porta
El? diz, ela vai ao mundo
Ela diz que! mesmo vocês (meus pais) lhe dessem dinheiro
Ela diz que nSo olhará para trás (não ficará)
Ela diz que !mesmo) que eles quisessem lhe dar vestidos
10 I I?toi não 3trairá OS seus olhares
Ela diz que se eles fizessem coisas para ela
Ela ciiz (isto! nao lhe agradar-ia
Ela diz que todss :I.< coisas cylie fizeram para ela completamente
Ela diz que, simplesmente, o5 jogará fora
15 Ela diz que o dinheiro que eles quiserem gastar
Ela diz que será dinheiro perdido
O guardião da porta diz, nPo é bem assim
Há! diz ela, é assim que ela vai fazer
Ele diz, entãù está bem
Ele diz, quando voc? vai voltar?
Ela diz que no momento em que ela agradar a todos (seus pais)
Ele (áb/kC) r a trairá para o céu
No momento em que eles (seus pais) fizerem coisas para ela
Ela diz, neste momento ela voltará
O guardião da porta diz, está bem então
Quando "A-morte-os-puniu" chega ao mundo
Sua mãe toma dois e aí junta três (ela consulta Ifá)
Esta menina poderá ficar com ela?
Eles (os babalaôs) mandam que ela faca oferendas para esta crianca
Eles dizem, ela e um abfiú verdadeiro
Eles dizem, ela se chama "A-morte-os-puniu" (lkú-;é-nwon-niya)
Eles dizem, faca rapidamente oferendas para ela
Eles dizem que e'sta menina não.será capaz de deixar o mundo
Eles dizem que ela pegue um galo
Eles dizem que ela pegue um bode
Eles dizem que ela tenha um tronco de bananeira
Eles dizem que ela tenha uma folha de abíríkoío
Sua mães grita hurra! nada acontecerá a esta menina
Eles dizem que ela pegue um bode
Eles dizem que ela pegue um tronco de bananeira
Eles dizem que ela pegue uma folha de agidimagbayin
Eles dizem que ela pegue uma folha de abirikolo
Sua mãe grita hurra! nada acontecerá a esta menina
Quando esta crianca chega na idade
Quando ela chega na idade de ir a casa de seu marido
Acontece que esta menina pensa repentinamente
Quando ela pensa repentinamente, ela fica com dor de cabeca
Antes do cair da noite, ela tem dores no ventre
Antes da aurora "A-morte-os-puniu" vai morrer
Sua mãe vem gritar, ela diz ah!
Ela diz, assim os babalaôs disseram
A morte não deixa a criancinha ficar forte
Funerais não deixam eméré ficar velha
Ifá é consu Itado para "A-morte-os-pu niu"
Que é filha de funerais
Ela diz, seu olho a faz olhar aqui e lá
Ela diz, seu olho está brilhando (de lágrimas)
Ela diz, seu rosto está coberto d'água, ela chora
E assim que (quando) esses abfiú vêm ao mundo
(E) vão dar adeus diante do guardião da porta
Eles dizem que esta pessoa fará qualquer coisa para eles
Eles não serão capazes de ficar quando chegar a hora
Em que as pessoas cuidem bem deles
Porque quando as pessoas são atraídos por eles (gostam deles)
Neste momento, eles querem deixar as pessoas.

OFERENDAS PODEM RETER ABÍKU NO MUNDO.

A dificuldade atinge repentinamente alguém
A desgraca sobre alguém
Ifá é consultado para llere
Que é o filho de O b i r ~ nab ata (mulher pântano)
5 llere diz que vai ao mundo
Diz que se ele chegar ao mundo
Diz que toda a comida que lhe derem
Ele diz, ele não a comerá
Ele diz, (esta) dádiva ele a comerá no céu
10 Ele diz, todas as coisas que quiserem lhe dar
Diz que não as aceitará
Ele diz, (estes presentes) no céu ele os aceitará
Diz que não há coisas que o possam reter
Quando ele chegar no mundo
15 Esta crianca é capaz de não morrer assim?
Ha! Dizem, eles (os pais) farão uma oferenda, ele não vai morrer
Eles dizem, a menos que eles não tenham um vaso novo
Eles dizem que eles tenham todas as coisas que a boca come
Que eles tenham um tecido vermelho
20 Eles dizem, que ele tenha uma tampa de panela, cânhamo (osum),
sabão, esponja
Eles dizem quando eles tiverem oferecido tudo isso
Eles dizem que o colocarão rio abaixo
Eles dizem que lá estão seus companheiros que o vão chamar e
matar
Eles dizem, é lá que eles vão ficar
25 Quando eles tiverem prontos, trarão as coisas para oferecer
Quando eles trouxerem estas oferendas
Seus companheiros o esperarão e não o verão chegar
Eles irão ao local pantanoso
No lugar onde se reúnem para se dizer adeus
30 Eles comecarão a chamá-lo
Eles chamarão llere, Ô llere Ô -
Para que eles Ihes responda
Ele diz, assim os babalaos disseram
A dificuldade encontra alguém de repente
35 A desgraca cai sobre alguém
Ifá é consultado para llere
Que é filho de Obl'rin abatá
Ele diz, quem chama Ilere
Ele tem bracos fortes, pés fortes
40 Eles ouvem, eles dizem ah!
Seus companheiros não vêm ainda
Eles voltam
Sua fam il ia fez oferendas
Ele não vai morrer
45 Se é um àb/kú
Motivo pelo qual esses abíkú vão ao riacho
Ou olham o muro
Ou vão ao monte de estrume
Se os àb;kú chegam
58 (e) dizem que têm dor de cabeca
Seus companheiros vêm pegá-lo
(Mas) Aqueles para quem foram feitas as oferendas
Não abandonarão mais as pessoas

SUBTERFÜGIOS PARA RETER OS ABIKÜ NO MUNDO

Osé Omolu oh! a crianca tem um segredo
Ifá é consultado pelo cacador que está à espreita
Que está à espreita na encruzilhada dos caminhos de àbíkú
Eles (os babalaôs) dizem, tu que estás à espreita
5 Eles dizem, teu olho verá muitas coisas hoje
Quando o cacador que está de tocaia no mato
Ele vê três (àbíkú) vindo ao mundo
Quando eles vêm ao mundo
Eles comecam por dar adeus diante do guardião da porta
10 Um diz que vai assim ao mundo
Diz que a lenha que seus parentes usarem
(para preparar sua papa (de legumes)
Ele diz que no dia em que ela acabar de queimar
Ele diz, neste dia ele voltará, voltará para o céu
O guarda da porta diz que entendeu
15 O segundo (àbíkú) aparece lá e diz adeus
Diz que vai assim ao mundo
Diz que o tecido que (sua mãe) utilizar para carregar as costas
Ele diz no dia em que este pano estiver estragado
Ele diz neste dia ele voltará para o céu
20 A terceira (àbíkú) chega lá
Ela diz que vai assim ao mundo
Ela diz que no dia em que seus ais lhe disserem para ir a casa do
seu marido
Ela diz neste dia ela voltará para o céu
Quando o cacador retorna a sua casa
25 Ele fica sabendo que estes três (abíkú) nasceram em suas casas
Ele vai visitar as três mães
Diz a primeira, tu que puseste um menino no mundo
Ele diz, não deixes que a lenha debaixo da panela da papa de legumes
de seu filho, se queime completamete
(Senão) esta crianca vai morrer
30 Diz, tu que deste a luz a segunda
Ele diz, o pano que usares para levá-lo nas costas
Ele diz, não deixes que se rasgue, usa um diferente (dos outros)
(Senão) esta crianca vai morrer
Ele diz tu que pariste a terceira
35 Ele diz, se é tempo de levar tua filha para o marido
Ele diz não te arrisques a indicar o dia, e dizer que neste dia tu a levarás
a casa do seu marido
(assim) esta crianca será capaz de ficar no mundo
As três mães dizem que entenderam
Elas consultam Ifá
40 Quando elas chegarn jbnto do babalaô
Eles encontram (o si&..l) Osé omolu
Eles (os babalaôs) dizem que elas tenham um tronco de babaneira
Eles dizem que elas tenham uma cabra como oferenda
Eles dizem que elas tenham também urn galo
45 Eles dizem quando elas tiveram aceso o fogo sob a panela que cozinha
Eles dizem, se o fogo quker morrer, que elas juntem um tronco de
bananeira
Quando o ábjku olhar oembaixo da panela, um acha
Ah! diz ele, o fogo não está quente
Elas fazem assim (continuamente)
50 Esta crianca não vai mais morrer
Eles dizem que elas arranquem a pele de uma cabra
Eles dizem que elas costurem sobre o pano que a mãe usa para levar
o filho nas costas
Quando chegar a hora (do abíku) dizer se o pano está estragado, ele
voltará para o céu
Quando ele olha o pano atrás, ele não esta rasgado ( e não tem furos)
55 Ele diz que a hora ainda não chegou
Esta crianca não vai mais morrer
Quando é chegado o momento de dizer que é tempo de ir à casa do
marido (e) de morrer
Nesta hora, seus pais não lhe dizem nada
Um dia eles a tomam bruscamente e a levam (para a casa do marido)
149
60 Ela não vai mais morrer
Ela diz Ah! Eles seguiram outro caminho
Quando seus companheiros (abíkú) os esperam assim (e) não os
vêem chegar
Seus comoanheiros (abiku) vêm ficar atrás da casa
Eles os chamam
65 Eles os chamam todos os dias
Estes três (abikú) vêm responder a seus companheiros
Eles choram para voltar para junto deles
(Canto1
0sé omolu oh! a criança tem um segredi
Vocês dizem a lenha não se queimou, oh! a criança tem um segredo
Osé omolu ah! a criança tem um segredo
Vocês dizem, o pano não se rasgou, oh! a criança tem um segredo
Òsé omolu, oh! a crianda tem um segredo
Vocês dizem que levam a criança à casa do marido, oh! a crianca
tem um segredo
Osé omolu, ah! a criança tem um segredo
(fim do canto)
Estes três ibíkú não vão mais morrer
Eles seguiram outro caminho

MOSETAN FICA NO MUNDO.

Levanta-te, levanta-te beleza, levanta-te
lfá foi consultado para Mosétán (eu acabei 1
Que é a filha de Blóje Okoso
Eles (os babalaôs) dizem que Mosetan venha fazer oferendas
5 Dizem que seus compant-+eiras que ela em sonhos
Que eles não sejam capazes de aprender fora do mundo
Eles dizem que ela pegue um tronco de bananeira
Dizem que ela pegue uma das suas tangas
Eles dizem que ela pegue um galo
10 Eles (os pais) fazem a oferenda
Quando eles fazem a oferenda, eles colhem as folhas de Ifá (agídímagbayin
1
Quando acabam de colher, eles vão com seu tronco de bananeira
Com sua tanga, com as folhas de Ifá
Ela não vai mais morrer
15 Ela não verá mais as coisas más
Eles dizem assim dizem os babalaôs
Levanta-te, levanta-te beleza, levanta-te
Ifá foi consultado para Mosetán
Que é a filha de Olojé Okosó
20 Crianca que recebe pedacinhos (de comida) na boca
Olorum fecha a porta (para) que não morramos ma.iç
A mão (encontra) as folhas de agídímagbayin
Olorum fecha a porta para que não morramos
Assim fala Ifá
25 Ifá diz que a crianca vê coisas más em sonhos
Que a crianqa chama seus companheiros (abíkú)
Que els não serão mais capazes de prendê-la (fora do mundo)
Òtua tem um segredo, talvez ele seja ativo
Ifá é consultado para Olóiko
Que é o chefe da sociedade (dos abíkú) no céu
Que do céu parte para o mundo
5 Quando Olbikb se vai, os abjkú dizem assim:
Tu Olóikò que partes assim, não fiques muito tempo (ausente)
Se eles lhe promete que não ficará muito tempo (ausente)
Quando chegar a hora, (ainda que) os pais tenham feito muitas oferendas
para que eles fiquem
Estas crianças não escutam. Elas se vão
10 Estes seres são chamados Abíkú
Quando Olóiko se vai
Eles, (os abíkú) dizem, tu Olóiko
Eles dizem, tu partes assim
Dizem, esta é a tua cadeira
15 Dizem, ninguém (além de ti) pode se sentar nela
Ele (Olóiko) diz, ele se vai
Eles dizem que quando chegar ao mundo
Dizem que não se esqueca deles
Quando ele chegou ao mundo, ele os esqueceu
20 Seus companheiros chegam a beira do regato
Eles chamam Olóiká, Olóiko, Olóiko
Olóiko escuta, (mas) não responde
Os pais de Olóiko correm a procura dos babalaôs
Eles dizem que Ifá os ajude
25 (Que) este Olóiko não seja capaz de morrer
Seus companheiros o chamaram, que ele não seja capaz de encontrá-
los
Eles (os babalaôs) dizem que sua cadeira está no meio de seus compan
heiros
Dizem, porque os pais tomam cuidado ele não vai morrer
Eles mandam que façam oferendas
30 Dizem que (eles dêem) um tronco de bananeira
Dizem que (eles dêem) um pombo
Dizem que (eles dêem) todas as coisas que a boca come
Dizem (que eles dêem) 1200 caurís (búzios)
Dizem que preparem um pano branco
35 Quando eles acabam de preparar, pegam todas as coisas e as amarram
juntas
Amarram estas oferendas como se fossem para funerais
Eles procuram um lugar perto do rio onde enterram as oferendas
Quando eles acabam de enterrar
0 s companheiros de Olóiko chegam pertinho
40 Como eles ficam ali perto
(e) vêem que trazem uma oferenda
(e) que cavam a terra e ali enterram (alguma coisa) como um caixão
de defunto
Quando acabam de enterrar
0 s companheiros de Olóiko chamam de novo : Olóiko, Olóikó, Olóikó
45 Os pais de Olóiko vão consultar Ifá para ele
Eles vão colher folhas de ablí-íkolo como oferendas
Quando eles acabam de colher as folhas
Eles esfregam todo o corpo (de Olóiko) com elas
Quando o corpo está completamente esfregado
0 s pais comecarn a cantar assim
"Porteiros do céu, voltai
FOI ha de ablí-íkolo)
Porteiros do céu, voltai"
Quando os porteiros do cé ouvem o canto que eles cantaram neste
dia
Que afasta as pessoas de sua sociedade do seu corpo (de Olóiko)
Porque se abíkú vem
Se (as pessoas) lhe fazem oferendas
Ãbíkú não tem mais (nenhuma chance de ir (para o céu)

ASEJEJEJAIYÉ FICA NO MUNDO NA DECIMA SEXTA VEZ QUE ELE VEM;

Ifá foi consu Itado para Òrunnmila por causa de seu filho Asejéjejaiyé
(E) a partir de Asejéjejaié que Orunmild prende ab;kÚ no mundo
No Odu de Ifá, Òdí meji
Asejéjejaiyé é o nome da crianca que Orunmila, que teve naquele
tempo
5 Ele, causa muitos aborrecimentos a Orunrnila, porque é a décima
sexta vez que vem ao mundo e morre
E então que Òrunnmila descobre suas manhas
Este Asejéjejaiyé chegou pela décima sexta vez
Òrunmila diz. Ah! este ó décimo sexto
152
Esta crianca não deve ser capaz de ir assim
10 Eles (os babalaòs) dizem que Òrunrnila prepare a folha idi e tudo
O mais
Eles dizem que Orunmílà queime tudo
Depois que Orunnmila queimou (para reduzir a um pó preto)
Eles dizem que Òrunmilà faca incisões nas juntas do corpo (de
A seJéjeja y ié
15 Que faca também incisões no seu rosto
Õrúminnla faz as incisões e (esfrega o pó)
Quando Orunmilà acaba de fazer as incisões
Eles dizem, esta crianca não conhece mais o caminho do céu (da
morte)
Dizem que ele pegue o resto (do pó negro)
20 Dizem que com ele confeccione um óndè (talismã)
Dizem que o amarrem a cintura da crianca
Dizem, ele não é mais capaz de partir
Dizem, o caminho do céu não foi feito para ele
Como eles colheram esta folha neste dia, eles dizem
25 A folha id/diz que o caminho do céu está fechado para esta pessoa
A folha idídiz que o caminho do céu está fechado para mim
Que eu não morra em minha juventude
A folha de iJá agbonrín não caminha ao longo do caminho que leva
ao céu
Que eu não morra, que eu não siga o caminho do céu na minha juventude
30 A folha de ija agbonrin não caminha ao longo do caminho que leva
ao céu
Eles dizem, não siga, pois o caminho do céu na sua juventude
A folha /ara pupa é o "cânhamo" (osun) dos ab/'kÚ
A crianca que esfrega seu corpo com a folha de /ara pupa não volta
para o céu
Ele (Òrúnmllá) diz que esfregou o corpo do seu filho com a folha
( Ia ra
35 Diz, e quando ele crescer
e quando se tornar um adolescente
e quando ele for pai
Ele diz, ele não vai morrer na sua juventude
Nós pronunciaremos esse encantamento assim
40 Se alguém era abikú que vai e vem, que vai e vem
Se nós pudermos fazer incisões (sobre seu corpo e esfregar nelas o
pó preto)
Se nós confeccionarmos um Ònde que predemos a sua cintura
O caminho do céu ficara então fechado (para esta crianca) neste
tempo

OSÃBíKU CHEGAM AO MUNDO PELA PRIMEIRA VEZ (EM AWAIYÉ).

Mato pequeno, mato pequeno
Escuridão escura
Quem conhece o trabalho da escuridão não procura atrapalhar a lua
Ifá foi consultado para Aláwaiyé que vem do céu ao mundo
5 Que leva 280 abikú para a terra
Quando Aláwaiyé chega
Ele é o chefe dos abikú no céu
Ele chama então os abjkú para que venham
Quando eles chegam na barreira do céu
10 Cada um declara o tempo que vai ficar (no mundo)
Um diz que, assim que ele tiver visto sua mãe, ele voltará
O outro que, no momento em que marcarem o dia do seu casamento,
ele voltará
Uma outra que, quando tiver posto um filho no mundo, ela voltará
Outro diz que', qùando tiver sonstruído uma casa, ele voltará
15 Outro diz que, quando seus pais conceberem de novo, ele voltará
Um outro que, quando comecar a andar, ele voltará
Quando eles chegam, Aláwaiyé está no comando dos ab;kú
Quando eles chegam, vão primeiro a Awaiyé
Eles dizem que farão, cada um, quatro vestimentas (cor de)
Eles dizem que prepararão um lenco de cabeca (do valor de) 1400
caurís
Dizem que preparam um boné (do valor) de 1400 caurís
Eles dizem que, se alguém conhecer suas proibicões quando eles
chegarem ao mundo
Se alguém conhecer o nome das vestimentas que eles combinaram
fazer
25 Eles dizem, se sua mãe soubesse das coisas combinadas
Eles dizem, eles ficariam perto dela
Eles dizem, se seu pai soubesse, eles ficariam perto dele
Quando eles chegam a Awaiyé
Alawaiyé firmemente os leva ao mundo
30 Ele vai a primeira vez, ele se vai de novo
Ele vai a segunda vez, ele se vai de novo
Ele vai a quarta, quinta, sexta vez,
Quando chega a sétima vez
A gente de Awaiyé vai consultar o babalaô
35 Seu filho será capaz de não ir mais?
Se alguém dá nascimento a um abikú
Se ele quer prendê-lo de tal modo
Que ele não queira mais partir de novo
Que prepare um lenco de cabeca (no valor de) 1400 caurís
40 Que prepare um boné (no valor) de 1400 caurís
Que prepare também um tecido (cor de) osun
(estes são os objetos sobre os quais eles (os àbíkús) fizeram uma
combinacão
Eles fazem uma roupa para ele (ablkú) neste pano (vermelho)
Eles têm uma floresta para si'em Awaiyé
45 Lá eles oferecem tudo
Dizem que ele (o pai ou a mãe) vá pendurá-Ia numa arvore na floresta
dos abíkú
Quando eles terminam de pendurar
Dizem todos a suas mães e seus pais
Que facam uma cerimônia para eles
50 Que dancem para eles
Que batam tambores para eles
Que preparem ekeru, akara, òlè, cana de acúcar, amendoins, doces
Que preparem esponjas e sabão
Que preparem todos os tipos de legumes
55 Eles dizem, se quiserem fazer isso todos os anos
Dizem que eles não partirão mais
Quando eles voltarem, eles dancarão aqui e lá
Terão tambores iyá dundún
Eles cantarão
60 "Esfreguemo-nos de Osun para o chefe da sociedade
Lenco na cabeca (do valor de ) 1400 caur is
Esfreguemo-nos de Osun para o chefe da sociedade
Boné (no valor dei 1400 caurís
Esfreguemo-nos de "Osun" para o chefe da sociedade
65 Esfreguemo-nos de "Osun" para Aláwaiyé
Esfreguemo-nos de "Osun" para o chefe da sociedade
Dancarão suas dancas
Eles dizem, se suas mães e seus pais fazem a cerimônia
Eles dizem, nenhum dos que são abl'kú não os deixará no mundo

IYAJANJASA NÃO DEIXA OS ÃBÍKÚ FICAR NO MUNDO

Guizos pequenos
Há muitos guizos pequenos
Ifá foi consultado para fya;an;isá que chefia a sociedade (dos abtkú
no céu)
Quando eles se reúnem (e) ela está chefiando a sociedade
Se estes ab/kú vão e vêm
Eles entregam sua mensagem a iyájanjasá
Se eles se vão, eles lhe dizem onde vão
Quando chegam eles dizem também a lyájanjasá
No momento exato em que ryájanjàsá
No momento exato em que iyájanjasá vem ao mundo
Eles dizem, tu és nosso rei (rainha)
Dizem que são os filhos de sua sociedade
Eles dizem, não permitem que ela venha ao mundo
Eles dizem, porque se ela vai ao mundo
Eles dizem, eles não encontrarão mais a quem entregar suas mensagens
Eles dizem, por isso iyájanjisá não irá ao mundo
iyájanjasá diz não faz mal
Diz que todos os que quiserem ir ao mundo, vão ao mundo
Diz que todas as criancas da sociedade vão ao mundo
O que quiser ficar sete dias no mundo,
Que diga que, no sétimo dia em que o tenham posto no mundo
Ele virá entregar uma mensagem a ti, a ti iyájanjasá
Ele virá entregar uma mensagem a ti, a ti li/ájanjasá
O que chame no momento em que for andar
O que chama no momento em que for engatinhar
Aquele que diz no momento em que for ter den$es
Aquele que diz no momento em que se puser em pé
Que ele venha entregar a mensagem a lyájanjasá
Eles prometerão, todos, assim,
No local em que iyájanjàsá está na sua chefia
Quando eles tiverem feito sua promessa a iyájanjasá
Eles farão as coisas que eles tenham determinado assim
Se o tempo é quase chegado
Que seu rei os espera
(e) ele não os vê ainda (chegar)
lj/ájanjasá usará de truques para os procurar
Eles também a procuram
iyájanjasá atrai estes ab /kú ao céu
O que disser que nãoencontra o caminho (do céu)
lj.4janjasá o ajudará (a encontrá-lo)
O que disser que não quer vir
Que as pessoas da terra consultaram Òrúnmila
E (que ele) os ajuda para que fique
iyájanjasá é perturbada por Òrúnmila
a respeito das criancas de sua sociedade que vão ao mundo
O que lhe prometeu voltar para junto dela
45 Que não vem mais, ela o tomará a forca
Todas as coisas que as pessoas fizerem para ele
Ela não as deixa agir
Todas as coisas que as pessoas fizeram para ab;kú
iyájanjasá as estraga
50 Eles dizem que contra abl'kú não há remédio
Porque todas as coisas que quiserem fazer para lhe agradar (ao abjkú)
lyijanjasá as estragará
Quando lyálanjasá os procurar aqui e acolá
Este filho da sociedade quer ir para o céu
55 Ele procura também iyájanjasá
Eles cantam esta cancão:
"iyájanjasá, pequenos guizos
Há muitos guizos pequenos
Eu busco minha sociedade (e) vou a Ofa, pequenos guizos
60 Há muito guizos pequenos
Eu busco minha sociedade (e) vou a Or9, pequenos guizos
Há muitos guizos pequenos
/Yájanjasá pequenos guizos
muitos guizos pequenos"
65 Quando tiverem cantado assim
Esta crianca, que é membro da sociedade dos abjkú
Que não encontrou, rapidamente, o caminho (do céu)
Virá cantar, dizer que
iyájanjasá a ajude a chegar ao céu
70 No lugar onde lyájanjasá gosta de ficar
Se ela puder ouvir este canto
Ele virá logo, correndo
Ela buscará, então, um meio de ajudar,
O filho de sua sociedade a encontrá-la no céu
75 Dizem que (contra) abíkú não há remédio
1-yá~anjaseás ta na frente da sociedade dos ibl'kú machos
Qloikó está na frente das abl'kú fêmeas
Se vides que uma crianca macho ganha idade
E que morre no momento de se casar, é pelo poder de lj/ájanjdSá
Tal é a história de iyájanjasá que chefia sua sociedade
e de como ela ajuda as criancas de sua sociedade (e) as atrai para o
céu
E (de ela estraga OS remédios dos que tomam conta deles
(tirado) do odu de Ifá irete

NOTAS

(1) As ,palavras em iorubd estão transcritas de acordo com as normas ortogrdficas dessa Itngua
( 2 ) DEBRUNNER, Witchcraftin Gana. Accra, 1959. p. 43
(3) Sunday Times. Lagos, 7 apr. 1968.
(4) HOUISI M. Le non individuel chez les Mossi. Dakar, IFAN, 1963. Cap, 5.
(5) MAUPOIL, 0. La geomancie à I'ancienne Cbte des Esclaves. Paris, Institut d'Ethnologie de
I'Université de Paris, 1943.
(6) 0 s algarismos romanos indicam os das histórias publicadas no fim do artigo;os algarismos
arábicos remetem para as linhas destas histórias.
(7) As cerimònias para os abíkú parecem ser pouco frequntes entre os iorubás; a única a que
assisti aconteceu entre os gun, em Porto Novo. Ela me tinha sido indicada por Mille M. J.
Pineau que fez um estudo sociologico de um bairro da cidade para a ORSTOM. Tratavam-se
de oferendas de alimentos feitos aos dbíkú em conjunto com osgèmeos, ibeji, ligando num
mesmo culto as crianças que não querem ficar no mundo e as que vêm duas ao mesmo tempo,
singularizando-se uns e outros, pelas circunstâncias excepcionais de seu nascimento, A
cerim0nia era feita pela tanyinonm encarregada do culto aos deuses protetores de uma famíiia
tradicional do bairro HouBta. Num canto da peça principal, oito estatuetas de madeira de
cerca de vinte centímetros de altura eram colocadas sobre uma banqueta de barro.
Todos vestidos de panos da mesma qualidade, mostrando pela uniformidade de suas vestimentas
pertencer a uma mesma sociedade (egbé). Seis destas estatuetas representam àbíkús e
as outras duas ibeji. As oferendas feitas pela tanyinnon consistiam de oka (pasta de inhame)
obèlá (espécie de caruru) èkeru (feijão moído e cozido nas folhas1 eran dindi, eja dindin
(carne e peixe fritos) que, depois da prece da tanyinon e da oferenda de parte desta comida
às estatuetas, foram distribuídas pela assistència. Uma Sacerdotisa de Obatalá (Chamado Dudua
em Porto Novo) assisti a cerimônia sublinhando as ligações que existiam entre o orixá
da criação, as pessoas de corpos mal formados, corcundas, aleijados, albinos) e aqueles cujo
nascimento B anormal (abikú e ibeji).
Esta cerimônia lembra a que é feita tradicionalmente para os gèmeos na Bahia pelos descendentes
de ioruba trazidos antigamente para o Brasil pelo trdfico. Todos os anos, no dia 27 de
setembro, dia de S. Cosme e S. Damião, 7 meninos são convidados por certas famílias para
comer o caruru tradicional oferecido aos ibeji. Este carui-u não é outra coisa senão o obèlá
da cerimônia dos abíkú e preparado do mesmo modo. Os sete meninos representam os gè.
meos Cosme e Damião, Dois-Dois (deformação de Idowu, aquele que, entre os iorubás, nasce
depois dos gêmeos Táiwo e Kèánindé) Crispim, Crispiniano, SalBk6 e Tàlèbí.
Em sua prece a tanyinon tinha evocado Sàlàkó, que com Tàlàbi são os nomes dados aos me.
ninos e meninas que vem ao mundo com pedaçosde membrana rompida sobre a cabeça; cir.
cunstância excepcionai do seu nascimento que os aproxima da sociedade dos abíku.
(8) HORTON, Robin. Africa traditional thought and Western Science. Afriw. London, 37
{2):159, apr. 1967.
kalabari Sculpture. Lagos, 1965. p. 10
LAVOND~SH, enri. Magie et langage. L'Homme. 1963. p. 115.
(9) WILLIAMS, Peter Morton. Yoruba response of fear of death. Africa. London, 30 (1 1:35,
jan. 1960.
(10) Por dificuldades tipográficas deixamos de transcrever os textos respectivos do original em
iorubá, que se encontram no artigo: VERGER, Pierre. La societé egbé orun des Abíkú, les
enfants qui naissent pour mourir maintés fois. Bulletin de I'lfán. Dakar, 30 (41: 1448187,
1968. (série BI.
lTradução do original em francês de Ieda Machado Ribeiro dos Santos (CEAO).